Rammstein e Marilyn Manson fazem shows históricos na primeira edição do Maximus Festival

Por Marcia Ito
Foto: Camila Cara/Midiorama
Foto: Camila Cara/Move concerts

A primeira edição do Maximus Festival aconteceu nesta quarta-feira, 07 de setembro, feriado do Dia da Independência, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, tendo como protagonistas as bandas Marlyn Manson e Rammstein. O evento já nasceu grandioso com 15 bandas, mais de 10 horas de músicas, 3 palcos, decoração temática, diversas atrações de entretenimento como a brincadeira intitulada de “Rock’XTREME” (uma espécie de trampolim com cama elástica, presas por cabos de segurança), Cabine de Fotos no Maximus Lounge, além da praça de alimentação com a presença do chef Henrique Fogaça, trazendo um sanduíche especial para o festival: o “Cão Maximus”.

VEJA GALERIA DE FOTOS DO FESTIVAL

A primeira atração do dia foi a Ego Kill Talent, abrindo a programação no palco Thunder Dome, que também recebeu outras novas bandas brasileiras Woslom, Far From Alaska e Project 46, além da inglesa Raven Eye.

Halestorm - Foto: Andréia Takaishi/Universodorock
Halestorm – Foto: Andréia Takaishi/Universodorock

Os dois outros palcos Rockatansky e Maximus ficavam um ao lado do outro, revezando as apresentações na sequência entre uma banda e outra. A inauguração do Palco Rockatansky foi com o quarteto finlandês Steve ‘N’ Seagulls com violão, contrabaixo, bandolin, banjo e bateria, tocando vários clássicos do metal e hard rock como Guns N’ Roses, Iron Maiden, Metallica e AC/DC. Depois foi a vez da Hollywood Undead inaugurar o palco Maximus com seu rap rock norte-americano. Shinedown fez o público pular bastante, apesar do problema de som logo no começo da apresentação, que fez o vocalista Brent Smith pedir várias desculpas, mas prometendo que esta não seria a única vez que os brasileiros iriam vê-los. Em seguida, Hellyeah fez explodir o seu som poderoso com “Reign in Blood” (Slayer). O vocalista Chad Gray, maquiado com sangue falso no rosto, disse ao final: “Vocês são parte da nossa família agora”, e terminaram com a faixa-título da banda. Já a Black Stone Cherry, banda americana formada em 2001, fez o público cantar junto, principalmente nas últimas duas canções: “Lonely Train” e o cover do Motörhead “Ace of Spades”. A banda Halestorm com a única vocalista feminina do festival, Lzzy Hale, encantou com um grito gutural no começo de “Love Bites (So Do I)”. Houve ainda solo do baterista Arejay que contou com a participação especial do baterista do Black Stone Cherry, John Fred Young.

Foto: Andréia Takaishi/Universodorock
Bullet For My Valentine – Foto: Andréia Takaishi/Universodorock

Era a vez do ícone do metalcore Bullet For My Valentine, com um palco simples, apenas com as letras B F M V em tiras como pano de fundo.  Começaram emendando três na sequência: “No Way Out”, “Your Betrayal” e “4 Words (to Choke Upon)”.  E depois de “You Want a Battle? (Here’s a War)”, o frontman Matthew Tuck pergunta quem já tinha ido a um show da banda e alguns levantam a mão. Então, ele anuncia a próxima, do primeiro álbum “The Poison”. Após o solo de bateria, veio a famosa “Scream aim Fire”, “Alone” e a faixa-título do último álbum “Venom”, lançado em 2015.  Mais uma vez no Brasil, eles mostraram seu rock de peso e encerraram o final de tarde no Autódromo.

Foto: Andréia Takaishi/Universodorock
Disturbed – Foto: Andréia Takaishi/Universodorock

Já havia escurecido quando o Disturbed entrou no Maximus Stage, deixando logo a plateia em êxtase com a faixa “Ten Thousand Fists”, seguindo com “The Game” e “The Vengeful One”. Antes de “Prayer”, o vocalista David Draiman puxou o coro: “Ole, ole, ole, ole, Disturbed, Disturbed!” Mas as grandes surpresas foram os covers: a lindíssima “The Sound of Silence”, de Simon & Garfunkel, “I Still Haven’t Found what I’m Looking for”, do U2, que trouxe uma releitura com riffs próprios, características do som da banda, “Baba O’Riley”, do The Who, além do cover do Rage Against the Machine “Killing in the name”. Depois, Draiman pediu ao público que iluminassem com as luzes dos celulares no refrão de “The Light” e claro que todos obedeceram, recebendo elogios do vocalista.  No final, com “Down with Sickness”, ele ainda fala que agora “we are…” (nós somos…) e os fãs completam: “…Disturbed!”

Foto: Andréia Takaishi/Universodorock
Marilyn Manson – Foto: Andréia Takaishi/Universodorock

O último a se apresentar no Rockatansky Stage foi o controverso Marilyn Manson, que chegou com um terno discreto, mas com a sua tradicional maquiagem preta nos olhos cantando “Angel with the Scabbed Wings” e “Disposable Teens” que fez muitos cantarem junto. Para “No Reflection”, Manson usou uma faca de ponta-cabeça como microfone e para “mOBSCENE” trocou o figurino para um blazer dourado e boina na cabeça, porém antes, fez um tributo a David Bowie, que morreu em janeiro deste ano, cantando um trecho de “Moonage Daydream”. Quando foi a vez de “Cupid Carries a Gun”, o cenário revelou o retrato de Marilyn estampado em uma nota de dólar americano com os números 666. MM ficou irritado, parando a famosa “The Dope Show” no meio, para discutir com um fã e perguntar: ”Ei, você não gosta de mim?” O grande problema da apresentação foi a grande demora entre uma música e outra, que chegava a incomodar, mas ainda assim não tirou o entusiasmo com “Sweet Dreams (Are Made of This)” em que o vocalista apareceu de muletas. O show terminou com “Coma White” e um pedestal enfeitado de flores vermelhas e com a chuva de papel no final de ”Beautiful People” em que o artista vestiu um quepe militar e jaqueta de couro. Depois de quase uma década sem se apresentar em solo brasileiro, Marilyn Manson mostrou que não é mais o mesmo, visto que não teve nenhuma de suas atitudes polêmicas anticristãs, como rasgar a bíblia ou esfregar a bandeira americana no traseiro. Será que o anticristo está domesticado?

28937505234_cdc2565820_k
Rammstein – Foto: Camila Cara/Move concerts

Um recado apareceu nos telões antes da última atração do Maximus Festival: “Curtam o show, por favor, e não se preocupem em filmá-lo” e uma contagem regressiva de 60 segundos anunciou o headliner Rammstein, com fogos explodindo acima do palco. Eis que surgiu o vocalista Till Lindemann, todo vestido de branco, sapateando no começo da música “Ramm 4”. “Reise, Reise” e “Hallelujah” foram tocadas na sequência, porém foi com “Zestören” que teve início os grandes efeitos pirotécnicos, já que a camisa do vocalista explodiu no final. Labaredas de fogo eram lançadas das bocas dos guitarristas durante a execução de “Feuer Frei!” Mas a parte mais teatral foi com “Ich tu dir weh” que primeiro teve fogos de artifícios lançados ao alto, seguindo o ritmo da bateria e depois, com o número de “mágica” do tecladista Christian Lorenz. Mas o que realmente levantou a galera foram os hits “Links 2 3 4” e “Du Hast” em que todo Autódromo cantava o refrão em uníssono. A única canção cantada em inglês foi a cover do Depeche Mode “Stripped”, em que todos os artistas agradeceram enfileirados antes do BIS. Mas claro que eles não poderiam ir embora antes de tocar “Sonne”, “Amerika” e “Engel” que teve as famosas asas que soltam fogo como atração, encerrando com “Te quiero puta!” deixando os fãs com a alma lavada, já que o Rammstein fez uma apresentação impecável e com certeza, será lembrado como um dos melhores shows do ano!

O Maximus Festival segue agora para Buenos Aires, no próximo dia 10 de setembro, porém uma nova data já está marcada para as terras tupiniquins. Será no dia 20 de maio de 2017, no mesmo autódromo de Interlagos! Agora, é aguardar para ver qual será o novo line-up. Não deixem de anotar na agenda: “Save the Date!”

SET LIST
Bullet For My Valentine
1. No Way Out
2. Your Betrayal
3. 4 Words (To Choke Upon)
4. You Want a Battle? (Here’s a War)
5. The Poison
6. Scream Aim Fire
7. Alone
8. Venom
9. Worthless
10.Tears Don’t Fall
11.Waking the Demon

Disturbed
1. Ten Thousand Fists
2. The Game
3. The Vengeful One
4. Prayer
5. Liberate
6. Another Way to Die
7. Stupify
8. The Sound of Silence (Simon & Garfunkel cover)
9. Inside the fire
10. I Still Haven’t Found what I’m Looking for (U2 cover)
11. Baba O’Riley (The Who cover)
12. Killing in the Name (Rage Against the Machine cover)
13. The Light
14. Stricken
15. Indestructible
16. Voices
17. Down with the Sickness

Marilyn Manson
1. Angel with the Scabbed Wings
2. Disposable Teens
3. No Reflection
4. mOBSCENE (com a intro ‘Moonage Daydream’ de David Bowie)
5. Cupid Carries a Gun
6. Irresponsible Hate Anthem
7. Deep Six
8. The Dope Show
9. Tourniquet
10. Sweet Dreams (are made of This) – Eurythmics cover
11. Cruci-Fiction in Space
12. Coma White
13. The Beautiful People

Rammstein
1. Ramm 4
2. Reise, Reise
3. Hallelujah
4. Zerstören
5. Keine Lust
6. Feuer frei!
7. Seemann
8. Ich tu dir weh
9. Du riechst so gut
10. Mein Herz brennt
11. Links 2-3-4
12. Ich will
13. Du hast
14. Stripped (Depeche Mode cover)
15. Sonne
16. Amerika
17. Engel
18. Te quiero puta!


Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário