Entrevista com a banda Doctor Pheabes

Entrevista: Márcia Ito
Edição: Gustavo Franchini

Foto: Silmara Ciuffa

A banda paulistana de heavy metal Doctor Pheabes, formada nos anos 80 por dois pares de irmãos que começaram a tocar ainda adolescentes, na garagem de casa, e acabaram dividindo palco com Guns N’ Roses e Rolling Stones, chega esse ano com um histórico de presença em grandes shows e seu terceiro álbum, Army of the Sun, o mais maduro da carreira.

Em entrevista para o Universo do Rock, o baterista Paulo Ressio nos conta detalhes sobre esse novo lançamento, gravação de DVD, curiosidades a respeito da banda, dentre outros assuntos relevantes. Confira a seguir!

Universo do Rock: Como se deu o surgimento da banda Doctor Pheabes? E o nome peculiar é baseado no clássico filme de terror O Abominável Dr. Phibes (1971) ou apenas mera coincidência?

Paulo Ressio: A banda surgiu fruto de uma amizade que eu desenvolvi com Eduardo, já que estudamos juntos desde o maternal até o colegial na mesma classe. Como somos duas duplas de irmãos, nossa relação se intensificou, pois todos estudávamos na mesma escola. Um belo dia decidimos juntar as duplas e criar uma banda. Dentro da nossa amizade nosso humor era muito parecido e assistíamos juntos O Abominável Dr. Phibes do Vincent Price – era um filme B, mas era muito divertido para época mesmo sendo de terror e por isso resolvemos fazer essa homenagem.

Universo do Rock: Recentemente vocês lançaram o álbum Army of the Sun, que possui uma produção superior à maioria dos materiais nacionais do gênero. Conte-nos mais sobre o processo de criação do novo compacto.

Paulo Ressio: O processo de criação desse álbum foi muito importante pra nós, porque foi a primeira vez que trabalhamos com um produtor de fora. E foi um privilégio ter o Kato e o Bruno Agra conosco. Todo o processo foi muito técnico e bem detalhista, nos ajudando a evoluir enquanto banda. Um ponto importante é que eles conseguiram extrair o melhor de nós desde a criação, gravação até a finalização do disco, que foi mixado e masterizado em Los Angeles. Na bateria, você grava e corta, repetidas vezes. Quando eu vi o resultado final, depois de tanto esforço, me trouxe muita satisfação pessoal! E certamente para os demais integrantes da banda também. O álbum está sendo para nós uma grande conquista e a chance de mostrar um trabalho com qualidade ainda maior para o público.

Universo do Rock: O produtor norte-americano Kato Khandwala, um dos responsáveis pelo trabalho no novo álbum, infelizmente morreu de maneira trágica em um acidente de moto, no ano passado. Vocês realizaram uma turnê no mês passado em homenagem a ele, no estado da Califórnia, EUA. De que modo isso refletiu no clima de gravação na época e depois na banda em si?

Paulo Ressio: Esse clima que a banda tem de amizade acaba se refletindo no trabalho e nas nossas relações gerais. Com o Kato não foi diferente, pois ele passou alguns meses aqui no Brasil acompanhando todo o nosso processo de criação e gravação. Ele esteve conosco em diversas atividades; fomos em jogos de futebol, shows etc. Então, se tornou parte do nosso grupo, não apenas um produtor, o que criou um clima muito familiar. Ele abraçou muito nossa banda, como um integrante, chegando a desenvolver a ideia de fazer uma primeira turnê na Califórnia, além de promover para novos mercados e até mesmo tocar ao vivo conosco. Nós sentimos muito a perda dele. Foi algo que tirou o chão da Doctor Pheabes.

Seguir com esse projeto se tornou questão de honra, considerando tudo que ele fez por nós. Portanto, quando tocamos ao vivo essas músicas lembramos com saudade do Kato, e não com dor. Ele nos trouxe muito amor, confiança, todo seu talento e sinceridade. Ensinou bastante sobre o tempo. Continuar é o mínimo que podemos fazer para honrar essa grande oportunidade.


“As bandas de rock precisam se unir e criar um movimento mais forte, ao invés de ficar apenas se comparando umas às outras.”


Universo do Rock: Ainda sobre o novo disco, além de mostrar uma nítida evolução sonora em comparação ao Welcome to My House (2017) e Seventy Dogs (2013), contou com a participação do Supla na música “Let’s Go”. A escolha para a participação dele foi algo já planejado por vocês ou surgiu o convite na hora?

Paulo Ressio: Nosso querido amigo Supla é um baita parceiro e temos uma grande ligação musical com ele, desde antes do show no Rock In Rio. Não foi nada planejado. No processo de composição acabou surgindo uma música que era a cara dele, então nossos produtores incentivaram e decidimos fazer o convite. Foi uma grande honra ele ter aceitado participar desse disco cantando a faixa mencionada, que mistura um pouco do punk rock que ele já faz com a nossa sonoridade. Ele está sempre nos nossos shows e é uma pessoa muito querida por todos da banda.

Universo do Rock: Em agosto, o Doctor Pheabes gravou um DVD, que brindou a interação da banda com o público nas apresentações ao vivo. Adiante-nos alguns detalhes sobre o projeto. Rolou participações especiais de outros artistas?

Paulo Ressio: Foi insano! Fizemos um grande registro do Army of the Sun ao vivo e adicionamos uma música de cada disco da nossa carreira, com intuito de prestigiar nossa discografia. O público compareceu depois de uma larga campanha na internet com apoio da Rádio 89fm. E isso tornou a noite ainda mais incrível. Nós tivemos a participação do Supla, da galera do Dr. Sin e Baffo Neto (Project46), que é bastante amigo nosso também.

Universo do Rock: Apesar de ser uma banda relativamente nova na indústria musical, vocês possuem um currículo invejável para muitas bandas que estão buscando espaço no cenário, como a participação em grandes festivais e também por terem sido responsáveis pela abertura em shows de bandas renomadas. Qual evento foi o mais marcante para o Doctor Pheabes até agora?

Paulo Ressio: É verdade que participamos de grande shows e eventos com grandes bandas, que são nossos ídolos. Na minha opinião, o show que mais marcou até hoje foi a abertura do Rolling Stones, por conta de uma situação inusitada que eu vivi. O baterista deles tocou na nossa bateria, durante a passagem de som. Eles quiseram conhecer a Doctor Pheabes e fomos tão bem tratados que ficamos emocionados com a oportunidade de viver esse momento. Foram simpáticos e muito atenciosos.

Show com a presença de fãs no palco da Audio, em SP – Foto: Leandro Godoi

Universo do Rock: Vocês estão sofrendo com comparações e rótulos, muito comuns no rock em geral? Se sim, como lidam com essa situação?

Paulo Ressio: Eu não acredito que é a Doctor Pheabes que sofre com rótulos. O que acontece é que o rock em geral, principalmente no Brasil, acaba sendo rotulado e até criticado por se espelhar muito em seus ídolos. As bandas precisam se unir e criar um movimento mais forte, ao invés de ficar apenas se comparando umas às outras. Isso sim poderia contribuir bastante para a volta de um grande movimento em prol do rock.

Universo do Rock: Nos elucide um pouco sobre as influências dos integrantes, que possuem uma musicalidade expressiva! E há alguma outra banda de hard rock nacional que acreditam ser também revelação na cena ou mesmo acompanham pela qualidade da mesma?

Paulo Ressio: Nossas influências são advindas das bandas tradicionais que ouvimos desde criança, tipo Scorpions, Guns, Van Halen. Nós escutávamos o mesmo estilo de som, então isso sempre ficou evidente nos nossos trabalhos. Com a chegada do Kato, um novo universo se abriu para nós, já que estávamos fechados apenas no nosso gosto musical. Todo esse trabalho de preparação para fazer o Army Of The Sun expandiu nossa mente para novos estilos e bandas, principalmente a busca por uma sonoridade que mostre nossa real identidade.

Universo do Rock: Quais os próximos passos da banda, considerando a agenda bastante atarefada de vocês? Já estão pensando em composições inéditas?

Paulo Ressio: O trabalho recente trouxe um novo gás para a banda e com certeza não queremos parar por aqui. Essa nova forma de ver a música fez com que a Doctor Pheabes pudesse crescer e estamos pensando sim em um próximo álbum. Já temos novas composições em andamento; estamos pensando em produzir um novo disco para 2020. Vamos começar a reunir todo o material que criamos até agora para entender quais caminhos vamos percorrer. Queremos seguir neste ritmo com dedicação para que a nossa música nos traga cada vez mais evolução pessoal.

Universo do Rock: Em nome da equipe do Universo do Rock, agradeço pela atenção e dedicação na entrevista! Esse espaço é livre para qualquer recado que queiram dar para os visitantes do site.

Paulo Ressio: Eu agradeço muito ao site pelo espaço e por toda dedicação de vocês em manter a chama do rock nos jovens que estão chegando. Quem quiser conhecer um pouco mais sobre a nossa banda, pode entrar nas nossas redes sociais e seguir por lá todas as novidades.

Saiba mais sobre a Doctor Pheabes: Facebook, Instagram, Spotify e YouTube.

Crédito foto da citação: Leandro Godoi

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.