Depeche Mode volta ao Brasil com um tom mais sombrio em suas canções

Por Renata Penteado
Foto: MRossi | Midiorama

Depois de apresentar-se em 14 países, a banda Depeche Mode chegou a São Paulo (27/03) no Allianz Parque, fazendo do Brasil o local para o encerramento da terceira etapa da Global Spirit Tour.

Apesar de fazerem um show carismático e empolgante, a banda ficou devendo alguns clássicos como” I can’t get enough” e “ People are people”, músicas bem dançantes e aguardadas pelo público até o último momento mas que, infelizmente, não rolaram.

Embora os membros da banda não lembrem-se do que acontecia nos anos 80, seus clássicos ficaram marcados para sempre na memória dos fãs. Quem curtia Depeche Mode naquela época jamais irá esquecer as canções com mensagens fortes e emocionantes.

A abertura do show foi feita pelo DJ Gui Boratto, que abriu os trabalhos animando o público que não desistiu, mesmo estando vestindo capas para proteger a todos do pé d’água que castigava São Paulo naquele momento.

Cerca de 25 mil pessoas lotaram o Allianz Parque provando que, mesmo depois de tantos anos, o Depeche Mode é uma super banda e continua arrastando multidões onde quer que vá.

Foto: MRossi | Midiorama

Ao som de “Revolution”, dos Beatles, a banda abriu o show com o palco a meia luz, dando um tom melancólico ao início e para desespero geral dos fotógrafos que gostariam de menos chuva e mais iluminação para registrar o momento.

Foi com a música “ Going Backwards “ que a brincadeira finalmente ficou animada quando David Gahan, sempre tão presente e performático, cantou e dançou quase que o show inteiro. O músico mostrou o quão é importante e faz diferença em uma apresentação que o artista seja carismático e talentoso. Arrasou!

O show seguiu conforme o roteiro da turnê, e as canções foram executadas de forma profissional e satisfatória. Aquela vibe disco que a banda tinha ali não se fez presente, porque o clima era mais pesado e um tanto mais sério.

O guitarrista Martin Gore, além de tocar, cantou em algumas músicas. Mas foi em “Enjoy the Silence”, que ele solou, fazendo aquela gingada com a guitarra. Esta música é tão relevante e nunca pode deixar de ser tocada em shows. No refrão ouvia se muitos cantando, era um coro que causava nostalgia dos bailinhos dos anos

No bis, Martin assumiu os vocais e juntamente com Andrew Fletcher, em seu teclado sintetizador, fez com que mais e mais vozes cantassem “Strangelove”, a qual foi e ainda é um dos maiores hits da banda. Foi uma versão mais leve da música, nem um pouco dançante como a versão original, mas foi bonita, bem executada e agradou em cheio aos fãs ali presentes.

Setlist
1 Going Backwards
2 It´s no good
3 Barrel of a gun
4 A pain that I’m used to
5 Useless
6 Precious
7 World in my eyes
8 Cover me
9 Insight
10 Home
11 In your room
12 Where’s the revolution
13 Stripped
14 Enjoy the silence
15 Never let me down again
Bis:
16 Strangelove
17 Walking in my shoes
18 A question of time
19 Personal Jesus


VEJA GALERIA DE FOTOS DO SHOW:

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário